quarta-feira, novembro 24, 2010

A greve

Hoje é dia de greve. Greve nacional que junta os dois sindicatos de peso em Portugal, coisa que já não acontecia faz 22 anos. A não acontecia faz tanto tempo porque agora, tal como nessa altura as coisas estão más, muito más. A grande diferença é que agora o povo é mais brando, mais "carneiro" e vive com a ilusão de uma inteligência que não tem.
Já não tenho pachorra para discutir sobre greves, com os poucos que realmente são capazes de falar de forma inteligente e argumentativa sobre o assunto, e o querem fazer, já falei. Já falei também com outros, mas ou é como falar com uma parede de tijolos, ou para o ar.

O mais engraçado é que eu trabalho para a TMN, que faz parte do grupo PT. E se ainda há quem ache que esta greve é má e tal e coiso, normalmente o tal e o coiso são os melhores argumentos que se arranjam, raramente há quem fale do facto de o meu patronato ir distribuir dividendos antes do fim do ano e assim deixar de pagar em impostos mais 200 ME. Mas os trabalhadores é que são uns irresponsáveis por fazerem greve em tempo de crise.
Eu acrescentariam que são estúpidos, porque muitos deixam-se convencer que isso é mesmo verdade. Que os seus direitos podem ser trocados pelo bem comum, por um sentido de equidade social que o empresas gigantes como a PT e Portucel e outras não têm.

É que fazer greve um dia é gravíssimo, logo em altura de crise, se os trabalhadores se habituassem a isto podíamos chegar ao ponto em que os dividendos a distribuir seriam pequenos. E já todos sabemos que são os que recebem os dividendos que mexem a economia, são eles o "mercado". Podíamos ser nós que gastamos o salário para comprar o que nos faz falta, mas não, são eles.

Haverá muita gente hoje que não faz greve. Uns porque o seu trabalho é precário e não podem exercer um direito seu sem por em risco o seu posto de trabalho, mas outros não farão greve porque não querem saber, porque acham que com esta crise não se deve fazer greves, que quem faz greve são os que não fazem nada e querem um dia de descanso, não farão greve e ainda amaldiçoarão os que fizerem, porque não conseguem chegar a lado nenhum a tempo, porque têm coisas que fazer e as portas estão fechadas, e são os que têm as portas fechadas que são uns FDP.
Estes não farão greve e acham que estão a contribuir para que as coisas não fiquem piores, mas na verdade são eles que nos puseram onde estamos e que não responsabilizam quem nos pode ajudar a sair e não o faz. A verdade é que as vitórias podem ser cantadas de muitas maneiras, mesmo que na verdade se esteja a ser derrotado.


2 comentários:

Ana 100 Sentidos disse...

Só uma rectificação. Há 22 anos as duas centrais sindicais fizeram greve no mesmo dia mas não pelas mesmas razões.
Esta é efectivamente a 1ª greve conjunto das 2 centrais sindicais de sempre.

cmfm disse...

Obrigado pelo contributo.
Por acaso eu não tinha escrito que tinha sido pela mesma razão, mas não sabia. De qualquer forma esse facto reforça mais ainda o estado podre em que estamos. É que até os sindicatos que nunca concordam desta vez concordaram.