quinta-feira, novembro 04, 2010

Portugal dentro de um carro

No fim de semana passado fiz uma visita à terra natal, e voltei para Lisboa a conduzir, exercício que já não fazia há algum tempo. A solitária viagem de regresso foi um reviver dos comportamentos mais irreflectidos que os portugueses têm ao volante. E eu não gosto.

Não gosto de quem vem a 200 na faixa da esquerda a fazer sinais de luzes como se todos se tivesses de desviar para o tal pessoa passar.
Não gosto de quem vai a 90 na faixa da esquerda e apesar de ver um carro a 120 no retrovisor não se desvia porque já está a pensar que vai ultrapassar um carro que está na faixa do meio meio quilómetro depois.
Não de que usa sempre a faixa do meio nas autoestradas, principalmente os que se divertem a ir à mesma velocidade dos que circulam na faixa da direita categoria em que me incluo.
Não gosto da malta que circula na faixa central e mesmo vendo um sinal de mudança de direcção de quem viaja na faixa mais à direita para ultrapassar o camião que lhes segue à frente não muda para a faixa mais à esquerda de forma a que ambos possam fazer a ultrapassagem.

No fundo não gosto de quem conduz de forma automática e sem pensar no resto dos condutores, não só nos que seguem à frente mas também os que vêm atrás ou estão ao lado.

1 comentário:

Ana 100 Sentidos disse...

Mas ainda há situações piores.
Como ires na faixa do meio a ultrapassar um carro na direita, seres ultrapassado pela esquerda e a seguir esse mesmo carro ir pra direita pra saída que está a menos de 50m.