sábado, dezembro 24, 2016

Nem tudo está perdido.

Não anda nada fácil encontrar filmes que sejam realmente bons. Daqueles com que fico verdadeiramente contente, e quando isso acontece com filmes com tudo para serem uma desilusão é melhor ainda.
Rogue One é tudo o que se poderia esperar. Cheio de acção, com uma história bem inserida na saga Star Wars e que mais do que tudo isso presta uma homenagem ao primeiro filme da mesma.
O conjunto de história, actuações/personagens, realização, e música é tremendamente bem conseguido e fechado com um laço. E ainda consegue dar mais sentido ao New Hope.

Epah. Que bom...


PS: Leia, tu vê lá se te pões melhor. May the force be with you.

sábado, dezembro 10, 2016

Sobre o Suicide Squad.

Começo já pode dizer que ver o Suicide Squad é uma daquelas experiências que preferíamos não ter tido.

A DC tem ficado aquém de tudo o que a Marvel tem produzido a nível cinematográfico, mesmo os menos bons da Marvel têm sido consistentemente melhores que os melhores da DC. E isto é uma pena.
Suicide Squad era o filme que prometia as coisas e iniciar uma reviravolta no putativo marcador.
Infelizmente o filme falha de forma tão horrorosa que até é difícil de descrever. É mau, mas um mau mesmo mesmo mau. Se calhar a culpa também é da expectativa. Se não fosse isso era só mau...
E o mais engraçado é que o Joker está longe de ser alguma coisa de jeito, quando se especulava o quão bom podia ser.

Não sei quem é que decide o quê sobre os filmes da DC, mas ou alguém mete mão na situação ou então a Marvel acabará por esmagar toda a concorrência no que toca a filmes de super heróis, já esmaga, mas o futuro faz adivinhar um eclipse total de tudo o que não é Marvel. E é pena.

sábado, novembro 19, 2016

Hardwired… to Self-Destruct

Carregar em play e ouvir, em 2016, Metallica numa forma invejável para quem tem um trajecto tão longo dá-me alguma alento, e a esperança de que, algures, esteja guardado uma perda de voz para os Bieberes desta vida.

sexta-feira, novembro 18, 2016

@pocalipse

Sabemos que o mundo não tem salvação quando conhecemos alguém que ainda usa um mail @hotmail como endereço principal.

Se é para vivermos que nem selvagens então que venha de lá esse meteoro.

quinta-feira, outubro 27, 2016

O que podia ter sido

Hoje era dia para não estar em casa. Dia de agenda com linhas preenchidas até ao fim.
Mas a verdade é que fiquei em casa. Cheguei do trabalho e não tive a vontade/genica/paciência para sair novamente. Não sei porquê. Tinha tudo para ser uma excelente ideia. Bom tempo, agenda cultural variada e boa... mas diz que nem sempre o corpo segue o bom senso.
Ou será que o bom senso foi mesmo ficar em casa e descansar porque amanhã é dia de trabalho?

Estou dividido entre o que hoje podia ter sido e aquilo que realmente foi.

quarta-feira, setembro 07, 2016

Para quando um AC portátil e pessoal?

Eu nunca me dei particularmente bem com o calor.
O calor é ditador, enquanto o frio é mais democrático. Se tens frio podes sempre vestir mais qualquer coisa, enquanto que com calor é fácil chegar-se ao ponto em que não há mais nada para tirar.

Ainda assim, com a mudança de cidade há já muitos anos deixei de detestar tanto as temperaturas mais altas. Tornei-me mais tolerante e o meu corpo também. Mas ainda assim estes últimos dias... tenham paciência, isto é calor a mais e já alguém arranjava o termostato.
Se no inferno estiver este tipo de temperaturas então vou começar a portar-me bem.

quinta-feira, julho 21, 2016

Aprender a cada volta

Na vida há coisas que se repetem. Algumas por inevitabilidade, outras por vontade.

No meu caso são palavras que se repetem. Ditas por algumas pessoas diferentes, mas todas mais ou menos iguais. Retratam algo que podendo ser verdade do ponto de vista de quem as diz, esconde sempre um distanciamento apropriado de quem, na realidade, só as diz dentro de uns determinados parâmetros que não devem ser contestados, sob pena de contradição. 

A situação não é boa nem má. Nem assim assim. Apenas é. 
Já pensei mais no assunto do que agora. O tempo encarrega-se de vacinar o espírito. E ouvir repetida a ideia, de alguém diferente apenas recorda o corpo de que já se ouviu aquilo nalgum lado, mas que não vale a pena ligar, porque no fundo, é apenas algo que se repete. Num loop de tempo variável.


Na vida os loops existem para quase todos, e quase nunca somos nós a controla-los, mas podemos controlar o seu efeito. É esse que podemos mudar, ou não, a dor, a alegria, a angústia... seja lá o que for que determinada repetição provoca. É isso que é aprender.

Eu tento todos os dias aprender. Porque amanhã, ou depois, quando a imagem ou o som se repetir, vai-me fazer falta esse conhecimento.

Ver. Já. A correr.

Stranger Things é das melhores coisas que vi ultimamente no formato série. Tão bom mas tão bom...
Não vale a pena descrever grande coisa. Acho que basta o primeiro episódio para se perceber que a mistura de imagens, história, cenários, e banda sonora é fantástica. E são só 8 episódios... vê-se num instante.

segunda-feira, julho 04, 2016

Procurador de luvas

Este país vai de mal a pior. Fede por todo o lado e mete nojo.
Se até aqueles que são supostamente os "fazedores" de justiça são esta miséria de seres humanos como é que serão os outros?

Ainda assim a malta está, neste preciso momento, mais chateada com o facto de estar a chover em pleno verão.


terça-feira, junho 28, 2016

Boas memórias

A notícia da morte de Bud Spencer deixa-me triste. Talvez mais triste do que aquilo que eu esperava.
Apesar de ser um actor cujos filmes mais emblemáticos foram lançados ainda antes de eu nascer, foram filme que me deram imenso gozo ver. Talvez por terem sido vistos por influência do meu pai, que adora os filmes da dupla Hill - Spencer, foram filmes que vi ainda muito criança e ficaram no mesmo imaginário até aos dias de hoje.

Aqueles murros na cabeça e sopapos que levavam a cambalhotas vão ficar guardados naqueles cantinhos especiais da memória reservados aos momentos a que temos mais carinho.
 

quinta-feira, junho 16, 2016

Nunca longe

Há algo de reconfortante, em quando apetece, voltar a este espaço que tão descurado tem estado.
Mesmo quando passo dias e dias a fio sem lhe prestar atenção ele continua cá, calmo e sereno à minha espera, mas sem qualquer ânsia. Se nunca voltar também está tudo bem.

O espaço em branco que figurativamente vai aqui ficando tem cada vez menos importância, principalmente porque hoje em dia já toda a gente escreveu sobre tudo e mais alguma coisa 5 minutos depois de ela acontecer. Não é preciso eu me indignar porque já muitos o fizeram. É quase impossível escrever alguma coisa que alguém, de uma forma ou outra não tenha já escrito também, e provavelmente melhor do que eu o faria.
Já não há falta de estupidez na Internet para que eu tenha que preencher o vazio.

Hoje em dia o espaço online é tudo, e é tudo em segundos. Toda a gente se indigna com tudo e com nada. Todos se ofendem com qualquer merda. Todos se ofendem porque houve quem se ofendesse com um assunto qualquer. Já mete dó.
Não há ponto de vista original e não há originalidade que não seja posta em causa e ofenda alguém.
Na Internet todos são muito maus e desejam tão facilmente a morte de alguém como comem uma pipoca.
Todos são Charlies mas todos acham que há merdas com que não se brinca. Todos "rezam" por Paris mas querem largar bombas sobre "os muçulmanos" sem perceber o quão irónico isso é do ponto de vista religioso.


Talvez por tudo isto e mais alguma coisa tenha menos vontade de escrever por aqui qualquer coisa. Mas como quase tudo na vida os ciclos repetem-se e mais cedo ou mais tarde cá estou eu a "dizer" que ainda estou presente.

sexta-feira, maio 20, 2016

Um sorriso pela manhã

Este cantinho estava "abandonado" há uns tempos, mas esta manhã não podia deixar de vir aqui deixar o sorriso com que fiquei ao ver as capas dos jornais de hoje.

O cómico Correio da Manhã tem na sua capa o destaque "Gang Planeia Matar Inspector da PJ", acompanhado de fotografias com a cara dos elemento do tal gang e com a profissão por baixo. A piada está que numa das fotografias a profissão é "bruxo", seja lá o que ser bruxo for. Pelos vistos bruxo agora conta como profissão. Podia ser vigarista, ou con-man, mas não, pelos vistos o senhor é bruxo... nem vou fazer a piada de que se fosse bruxo seria muito fraquinho porque não sabia o que lhe estava para acontecer.

O CM pode não valer nada como meio de informação, mas como fornecedor de piadas é sempre muito forte.

quinta-feira, abril 14, 2016

The hated one

Enquanto miúdo não me virei muito cedo para o desporto na televisão, e já era crescidito quando comecei a gostar de ver "a bola" na tv, numa época em que o campeonato ainda era transmitido em sinal aberto para toda a gente ver.
Rapidamente tomei o embalo do futebol, e apesar de ser fraquinho em tudo o que é desporto no que toca a praticar, gosto de ver jogar muita coisa, desde ténis a futsal, passando por ciclismo e desportos motorizados (tirando os anos a fio em que a F1 se tornou uma seca sem ultrapassagens). E um dos desportos que dei em ver, foi a NBA que, mais uma vez, antigamente dava em sinal aberto tarde a más horas para toda a gente poder ver. Sempre torci pelos Lakers, talvez porque quando comecei a ver a NBA o Magic Johnson e o Kareem Abdul-Jabbar jogavam que se fartavam e os despiques com o Celtics eram épicos.
Passei por muitos bons jogadores, Jordan, provavelmente o maior de todos, sem voltar a encontrar equipa que me fizesse mudar de preferência. E é como seguidor da equipa de LA que vi chegar Kobe, um puto irreverente que claramente tinha futuro.
Com o tempo o talento confirmou-se e a dupla que fez com o Shaquille O'neal foi inacreditável de ver jogar. Se se tivessem entendido fora de campo como o faziam lá dentro acredito que teriam conseguido mais anéis do que dedos para os usar, mas assim não aconteceu. Apesar dos críticas de não passar a bola, sempre foi dos jogadores mais odiados pelos adversários, o que diz muito sobre a qualidade de um atleta.
Ontem Kobe Bryant fez o seu último jogo na NBA, 20 anos, mais de 1300 jogos e 33000 pontos depois do seu primeiro. Uma verdadeira estrela do seu desporto. Um exemplo de competitividade e querer ao longo de épocas épicas, no bom e no mau sentido.

O jogo deste monstro do basquetebol vai deixar saudades, e eu sinto-me velho, porque vejo o fim de carreira de um jogador cuja carreira vi iniciar.

Afinal não os cabelos brancos não são despropositados.

terça-feira, março 22, 2016

Porquê?!?

Quanto mais velho fico mais fico espantado com o quanto me consigo ainda impressionar com o quão merdosa a humanidade é.
Em conjunto os seres humanos são capazes de coisa verdadeiramente impressionantes, infelizmente somos tão impressionantemente idiotas quanto brilhantes. Ainda ontem lia a notícia de que se conseguem já "criar" corações em laboratório com células estaminais (link) e hoje acordo com o aeroporto de Bruxelas a rebentar e pessoas feridas e mortas por algo que, de momento, não parece ser um acidente.

Porquê? Não consigo de forma alguma perceber o porquê. Acabar com a vida de outras pessoas de forma brutal em nome de quem... e porquê?
Regiões que há gerações andam aos tiros por pedaços de terra, deuses, política... sei lá. Porquê?

terça-feira, março 15, 2016

Mais um

O início de 2016 está a ser fodido para a malta com talento. Pelo menos há boas notícias no que toca ao José Pedro Gomes.

Ainda bem que no que toca a talento sou muito fraquinho senão estava preocupado.

domingo, fevereiro 28, 2016

Um ano de boa colheita

Este ano, e ao contrário do passado recente, chego à noite de entrega das estatuetas mais importantes do cinema com quase todos os filmes nomeados para Melhor Filme vistos. E ainda bem. Este ano está cheio de coisas boas desde o Spotlight ao Revenant passado pelo Bridge of Spies e o The Big Short.
Pessoalmente o The Martian e o Mad Max também são brilhantes, mas percebo que fujam à corrente mais normal de filmes que ganham este tipo de prémios, mas é bom vê-los pelo menos nomeados.
Ficam o Room e o Brooklyn por ver. Pelo que se vai lendo apenas poderão ter influência na corrida a prémios por actuação, mas se estiverem ao nível dos outros não posso esperar para os ver.

Este ano dificilmente consigo ver a cerimónia porque amanhã é dia de trabalho, mas espero que o Chris Rock parta aquilo tudo. Em bocadinhos. Fingers crossed.

Happy birthday Sheldon

No episódio de dia 25 deste mês do TBBT o Sheldon festejou o seu aniversário. Pelos vistos fazemos anos em dias seguidos.
Ah e tal mas ele é uma personagem de uma série de tv... Não quero saber.
Ah e tal mas ele é muito irritante e tu também... Também não quero saber.

sábado, fevereiro 27, 2016

Minutos bem "perdidos" em frente à televisão

O ano muda, e regressam programas como o Last Week Tonight. Das melhores coisas que se podem encontram no pequeno ecrân. Ainda que não digam respeito directamente a Portugal.

quinta-feira, fevereiro 18, 2016

A consistência da estupidez

Se nalgum momento duvidar-mos que a estupidez humana, é, de facto, infinita, basta olhar para uma notícia como a que hoje correu as redes sociais em que uma data de gente acabou por matar um golfinho para tirarem fotos com ele para qualquer dúvida se dissipar.

domingo, fevereiro 07, 2016

É só rir

Acabei de saber, através do Governo Sombra, que há um tal de Steve não sei quê do estado islâmico cuja mãe vive "aqui" no Tortozendo.
Cova da Beira a arrebentar com isto tudo.

Já não falava de filmes há uns tempos

Vir passar o Carnaval à terrinha tem como consequência não ter grande coisa para fazer. Até porque o frio esteve a bater forte, portanto o sábado foi passado em frente à tv e ao pc.
Não tendo nada em mente para ver resolvi pedir conselhos a quem, provavelmente, teria algum bom para dar, e acabei a ver o Mary and Max, um filme de animação que foge às convenções actuais de "animação", tanto visualmente como na sua narrativa.
O filme é curto e a história parece desenrolar-se de uma forma simples, mas é tudo menos "simples", é escura e disforme mas "provocadora". Vale a pena se não se procurar algo do tipo Pixar. Experimentem um dia destes.


quarta-feira, fevereiro 03, 2016

Não há necessidade

Os jornais desportivos teimam em querer fazer da situação do Carrillo um problema para o Sporting e um desgosto para os sportiguistas. Mas a realidade é que há mais adeptos do SCP desgostosos pela saída do Montero do que pela assinatura do peruano pelo rival do outro lado da circular.
Pessoalmente desejo que ele tenha tanto sucesso como o Djaló, se acharem que estou a ser mauzinho até posso ir mais longe, e esperar que ele jogue tanto pelo SLB como jogava pelo SCP.

Estas mudanças de jogadores são perfeitamente normais, e completamente benignas. É pena é vermos a comunicação social tentar transformar isto numa coisa que não é.

domingo, janeiro 31, 2016

Keep going

Ainda que a escrita aqui possa acontecer de forma bastante espaçada, especialmente nos últimos tempos, ela acaba por não deixar de acontecer, porque assim como no primeiro dia em que este cantinho "abriu" a estupidez humana continua a não ter limites.

Assim sendo, continuo por aqui.

sábado, novembro 21, 2015

Let the wrong one in

Para a ANTRAL o UBER é o mal dos males, mas será que é mesmo, ou o mal está dentro de casa?

Está "frio"

O tempo está a ficar mais frio, e este ano o frio trouxe realmente o cinzento. Um cinzento que abate as cores que nos rodeiam, daqueles cinzentos mortos e metálicos que deixam antever o nada.
Os dias ficam mais curtos mas nem por isso mas suportáveis. O horizonte deixa de ser visível e a sensação é que é um precipício, sem fim ou com um final brusco e horroroso. Nem o cheiro das castanhas assadas parece o mesmo, misturado com o odor desagradável de algo podre que o vento nos trás.

Chegou o frio, mas espero que não seja para se deixar ficar, que desta vez, estranhamente, não é do meu agrado.

quinta-feira, novembro 05, 2015

A vergonha

Sobre a situação do Ricardo Salgado não tenho nada a dizer, porque um post só com asneiras não ia ter muito sentido para quem lê.

Mas a vergonha de Portugal nestes momentos é algo de bastante forte.

quinta-feira, outubro 29, 2015

Chover no molhado

As contínuas tentativas de bloquear sites de pirataria são tão ridículas quanto ineficientes. Mas é nisto que se continua a gastar tempo, dinheiro, e recursos. Quando talvez a melhor solução fosse cria condições para que a pirataria não fosse realmente algo tão "necessário" ou atractivo para quase toda a gente.
Continuem a meter "bloqueios" uns atrás dos outros em tudo o que é site. Aposto que quem os usa não tem solução... ou então tem.


sexta-feira, outubro 23, 2015

Devolvam a bola ao bébé

Há já uns tempos valentes que não ouvia comunicações dos nossos políticos, mas ontem, porque tinha levado o rádio ligado durante a corrida ao fim do dia para ouvir o jogo da bola, levei com a conversa do Cavaco.

No fundo Cavaco é uma criança amuada a quem não fizeram a vontade. Ele queriam um centrão, mas não houve centrão para ninguém. Ele queria quem o PCP e o BE desaparecessem, mas pelos vistos os poderes dele não dão para tanto.
O mais engraçado de todo o discurso foi mesmo perceber que a credibilidade do país aos olhos dos portugueses é irrelevante, o que interessam são os mercados, as instituições financeira, e os investidores. Se eles estiverem felizes Cavaco está feliz, se eles amuarem Cavaco amua. Parece que são eles os nossos grandes motores e devem ser a nossa maior preocupação, pela conversa do nosso presidente são essas entidades místicas que pagam tudo e mais alguma coisa, o que me leva a pensar que algo faço de mal porque as minhas contas tenho que ser sempre eu a paga-las.

A democracia tem destas coisas. Normalmente as pessoas fazem aquilo de que o Cavaco gosta, porque estão habituadas ao mesmo rodar da política nacional, mas desta vez a roda rodou de maneira diferente e os "políticos" do costume não gostaram.
Eu não sou anti europeista, muito longe disso. E o presidente tem razão quando diz que a esmagadora maioria o é. Mas tentar lançar o típico papão de esquerda para a praça pública é apenas mais uma táctica gasta e demasiado vista, porque todos sabem que uma aliança de esquerda jamais traria uma revogação dos tratados europeus. O verdadeiro papão deste Cavaco é a possibilidade, ainda que remota, de que algo realmente mude, e que os portugueses comecem a exigir políticos honestos nas promessas que fazem, caso contrário não terão medo de escolher outros, até encontrarem quem lhes sirva, porque o têm feito até agora é mudar de entre dois e queixar-se de ambos.

quinta-feira, outubro 22, 2015

Justiças diferentes

A justiça não é, não foi e dificilmente será, alguma vez, igual para todos.

Um tribunal, quatro juízes, duas medidas.

Mas somos constantemente incitados a acreditar nela, por quem dela toma conta.

segunda-feira, outubro 19, 2015

A austeridade vai de Porsche

Em Portugal, segundo dados recentemente divulgados 19,5% da população vive no limiar da pobreza. Mas por outro lado a Porsche teve o melhor arranque de ano de sempre no nosso país e bate recordes de vendas.

Ainda dizem que a austeridade não funcionou...

sábado, outubro 10, 2015

Como se não se soubesse já.

Investimento da Portugal Telecom na Covilhã está às moscas

Uma notícia mais do que prevista. O mais giro é que foi prevista por inúmeras pessoas que não foram consideradas os melhores CEO's de lado nenhum.
Mas como os especialistas não somos nós. São aqueles que tomam, vezes umas atrás das outras, as decisões que movem milhões em investimentos, e não só mas também as políticas e leis que nos governam. Especialistas esses que agora, depois de tudo feito seguem como se nada se tivesse passado e amanhã defenderão outras palermices do género. Porque eles é que sabem e o resto é só ruído.
Esta é a face das promessas de milhões que dão em tostões. Na verdade há milhões envolvidos, não são é para aqueles a quem foram prometidos.
Como as gestões em Portugal são de topo, e apesar de a Covilhã como cidade ter feito tudo o que não devia para ficar com este projecto, em momento nenhum foram acauteladas as obrigações por parte da PT. Que de 1400 postos de trabalho prometidos criou 200 e cuja parceria, tão aclamada, com a UBI fica clara nesta reportagem.
Ironia das ironias é que a PT pelos vistos diz que o projecto já ganhou 6 prémios. Será que algum foi de melhor Data Center da Europa?


Uma tarde de chuva com bom resultado

Ultimamente os poucos filmes que tenho visto têm sido entre o mau e o mais ou menos. O potencial está lá, mas depois a execução não me deixa completamente satisfeito. 
Finalmente hoje, dia perfeito para se estar no sofá a ver filmes encontrei o filme que veio redimir o tempo que gastei nos anteriores.
Dope consegue de uma forma quase inocente ser aquilo que muitos outros filmes tentam e não conseguem, cómico mas a tocar nos pontos sensíveis da sociedade real. Uma série de eventos rocambolescos que apesar de tudo nunca nos deixam a pensar que nada daquilo faz sentido.
Uma quantidade de gente relativamente pouco conhecida a mostrar que não são as "estrelas" que fazem os filmes.

Ainda há filmes que me apanham de surpresa e valem mesmo a pena.

quinta-feira, setembro 24, 2015

Notícias de tristeza

As notícias dos jornais desportivos têm que ser "tomadas" com uma pitadinha de sal. Inclusivamente a palavra notícia talvez seja demasiado forte para ser aplicada nalgumas situações. De qualquer modo não consegui deixar de ficar espantado com as letras gordas dos jornais desportivos de hoje.
Num jornal diz-se que Bruno de Carvalho pôs uma folha em branco à frente de Carrillo para ele escrever quanto queria para renovar e ele não escreveu nada, e noutra capa lê-mos que Carrillo está muito triste com o Sporting.
Ora a ser verdade a tristeza de Carrillo é completamente justificada, todos nós sabemos o triste que é o nosso patronato nos "oferecer" uma olha em branco para escrevermos o que queremos ganhar. 
Thanks Obama.

sábado, setembro 19, 2015

domingo, setembro 06, 2015

Quase sem palavras

Nos últimos dias todos temos sido confrontados com a realidade dos migrantes.
O assunto é sério e divisivo, As implicações são muitas e graves. As soluções são difíceis mas urgentes.

Mais do que palavras inflamadas escritas nas redes sociais em reacções a imagens que nos deixam atordoados com a usa brutalidade devemos pensar no que podemos fazer e fazê-lo. De resto não me parece que nada se resolva com comentários.

segunda-feira, agosto 31, 2015

O porquê de certas coisas

Acabei de ver uma pequena reportagem na SIC Notícias sobre a ANTRAL e os protestos que promete nos próximos tempos. A peça era acompanha por um vídeo do Youtube na zona do aeroporto que mostra precisamente porque é que a UBER é completamente diferente dos táxis normais e porque é que qualquer pessoa com juízo prefere utilizar a plataforma "banida" em Portugal.






sábado, agosto 29, 2015

Sem combustível

Dias há, em que no fim, e só no fim, percebemos que ficou tudo nas horas que passaram desde que acordámos. Chegamos ao fim com o depósito na reserva, e percebemos que temos "todas as luzes a piscar".
Felizmente deu para chegar ao fim, e as pilhas recarregam na almofada. Amanhã é outro dia e começa tudo do zero.

sexta-feira, agosto 07, 2015

#JonVoyage

Hoje é o último dia de trabalho de Jon Stewart no Daily Show. Esta é uma realidade que parece chocar quase toda a gente, tirando o próprio Jon que está a férias alargadas à porta.
Fecha-se hoje um ciclo. Uma época brilhante da tv americana, baseada na inteligência, piada, e trabalho de uma equipa incrível liderada por uma personagem única no contexto actual televisivo.
Foram anos a fio em que havia uma constante que parecia imutável em que se podia confiar. Ligava-se a tv e havia ali alguém que nos ia contar o que se passava de uma forma simples, frontal e que ainda nos fazia rir e pensar no processo.

Sinto-me um tudo nada orfão. Ainda por cima o Tubo de Ensaio também terminou. Não me parece justo nada disto.

quinta-feira, agosto 06, 2015

Ex-Machina

Depois de ter visto o Mad Max há pouco tempo pensava que não ir ver nada tão bom, tão cedo, mas enganei-me. Ex-Machina pode estar no pólo completamente oposto no que toca à acção, mas a qualidade é igualmente enorme.
Brilhante no que toca ao enredo, ao toque de sci-fi mas há simplicidade com que é abordado. O aspecto futurista, mas ao mesmo tempo perfeitamente contemporâneo e desprovido de qualquer propósito de desproporcionalidade.

Gostei deste filme sem qualquer tipo de reservas. É bom que se farta.

segunda-feira, julho 27, 2015

Os filósofos do Youtube

O Russel Brand até me parece ser um gajo com alguma inteligência. Infelizmente nem sempre a inteligência que se tem é a suficiente para falar de certos assuntos de forma coerente.

Neste vídeo por exemplo, ele comete o "erro" de tentar utilizar as palavras de Stephen Fry para dizer que o próprio Fry está errado. O problema é que está a tentar "ensinar" alguém mais inteligente do que ele, e que já pensou sobre o assunto em causa muitíssimo mais que ele.
As drogas e o álcool fritam o neurónio, e no caso do Russel houve neurónios a mais a virar o boneco, o que faz com que em muitos dos seus vídeos ele se consiga contradizer. Por exemplo neste vídeo ele diz várias vezes que é impossível saber se deus existe mas o título do vídeo é, curiosamente, "Is There A God? YES!".
Russel, que tu aches que és um tipo espiritual (seja lá o que isso for) e que te sintas ligado a todas as outras pessoas, epah tudo bem, eu até posso deixar isso passar, mas quando tentas de uma forma atabalhoada provar algo que afirmas que não pode ser provada, e contrariando alguém que te bate em termos de QI estás a cometer o maior erro da tua vida, logo a seguir ao de teres deixado a Katy Perry.

quarta-feira, julho 08, 2015

Por cá estamos tranquilos

Hoje durante o dia fartei-me de ouvir que a Sara Carbonero não quer vir para o Porto. Eu sou do Sporting, mas acho que os portistas não estão preocupados que eu acho que ela não joga nada à bola, e palitos para os dentes já temos muitos.
Se ela não quer vir que fique por lá que a malta não se chateia. A sério.

terça-feira, junho 30, 2015

Que desânimo

Com este calor todo eu devia era estar na praia, e não a semi-estudar em frente ao pc. Estou cada vez menos convencido de que consigo fazer isto... 

domingo, junho 28, 2015

Informação útil

Para que não digam que quando vêm aqui não ficam a saber de nada de jeito, informo que o Mad Max: Fury Road é o catano. Mesmo.

O défice

Apesar do tratamento de abandono que este cantinho tem tido, não está, de todo, esquecido. Apensas está com um défice de alimentação, mas hoje em dia o défice é das coisas mais comuns por todo o lado.

sábado, maio 30, 2015

Dias de merda

Há dias em que as horas passam e as notícias que se acumulam são todas negativas. Não acontece nada que se aproveite... pelo contrário. Já passa da meia-noite e espero que a mudança no calendário seja mais simpática do que a data anterior o foi.

quarta-feira, maio 13, 2015

Dias de cinema

Os dias de cinema a €2,5 são de aproveitar, segunda-feira não tive hipóteses de ir ao cinema, mas ontem fui ver o Capitão Falcão e valeu bem a pena.
Houvesse mais filmes assim e mais dias com estes preços e os números cada vez menores de pessoas que vão ver filmes no grande ecrân seriam certamente outros.
Da última vez que tinha ao cinema fui ver o Interstelar e havia meia dúzia de gatos pingados, ontem havia filas bem grandes nas bilheteiras e um filme português estava a mais de meio na maior sala do Alvaláxia. Isto quer dizer que talvez o problema não seja a pirataria, nem a vontade das pessoas de ir ao cinema, talvez o problema seja o preço absurdo dos bilhetes.

Quanto ao filme não tenho muito mais a dizer que não seja que qualquer português que se orgulhe de o ser tem que ver este filme. É um dever patriótico (ou pelo menos é o que diz o Capitão Falcão).

terça-feira, maio 05, 2015

Um planeta aos safanões

O que aconteceu no Nepal é um fenómeno natural, que para quem estudou a tectónicas de placas não passa de algo que teria que inevitavelmente que acontecer, com a diferença que poderia não ter afectado a quantidade absurda de pessoas que afectou. Porque a construção deveria estar preparada para estes fenómenos ou porque o mesmo poderia ter acontecido daqui a muitos, muitos anos.

Os Himalaias formaram-se na zona de colisão entre a a placa continental referente à India e a placa associada à Ásia, O que para nós é algo que está imóvel, geologicamente é algo que está em movimento e com um poder e uma força que foge à nossa compreensão.O Evereste será daqui a uns milhares de anos, provavelmente, ainda mais alto e para lá chegar muitos destes sismos se vão repetir. Podem não acontecer no nosso tempo de vida, nem dos das próximas 10 gerações, mas acontecerá inevitavelmente.
Em breve teremos para ver o San Andreas, um filme sobre um superterremoto nos EUA (claro) na conhecida falha californiana. Não vi o filme e não sei o quão real ou não ele é. Mas se alguém acha que um cataclismo como os por vezes representados cinematicamente é impossível convém que pense duas vezes.
Já todos vimos os vídeos do que aconteceu no Nepal, ou no Japão, um país que, ao contrário do primeiro, está preparado para este tipo de situações, sendo que o território japonês nem sofreu grande coisa com o abalo, bastou a água para fazer os estragos que todos conhecemos.
Este tipo de manifestações naturais causa fenómenos que muitos desconhecemos e que são raramente observados.

Este é o vídeo de um deles.



Em Portugal estamos algo anestesiados relativamente a estas situações, mas 1755 repetir-se-á. Amanhã, daqui a 10, 100 ou 1000 anos, mas voltará a acontecer, e nesse dia estaremos a ver o que os nepaleses acabaram de ver e os japoneses viram há uns tempos atrás. Se acontecer em breve parece-me que infelizmente estaremos mais perto de uma catástrofe assustadora do que de um fenómeno que ultrapassaremos com apenas "uns arranhões", porque nós como pessoas, as nossas casa, as nossas cidades, não estamos verdadeiramente preparadas para um acontecimento como aquele que se vê nos filmes.

Faz o que eu digo, não faça o que eu faço

Durante o fim de semana apanhei de relance as notícias sobre a greve na TAP. Na verdade é um assunto para o qual me estou relativamente a borrifar. A TAP está na merda faz muito tempo e a salvação ou não da empresa não depende destas greves, sejam elas legítimas ou não, sinceramente não sei nem me interessa.

O que me prendeu momentaneamente a atenção foram as declarações de Paulo Portas sobre a situação. Ouvi qualquer coisa como este pilotos serem destruidores de empresas ou coisa do género. Isto vindo de um gajo que gastou milhões em submarinos que não servem para nada mesmo quando estão fora do estaleiro, comprou blindados que chegaram depois do prazo mas foram pagos como nada tivesse acontecido, e se demitiu de um executivo, fazendo-o refém já que provavelmente iria cair sem ele, e voltando atrás com a sua palavra que deu como irrevogável.

É preciso ter lata e falta de vergonha sinceramente.

Pode ser que depois de sair do governo, seja lá quando isso for, o caso dos submarinos, que já engaiolou alguns na Alemanha, sirva para que vá fazer companhia ao Sócrates. Isso é que era falar.

Mas foi dia da mãe na mesma

No dia da mãe não coloquei nada nas redes sociais nem aqui pelo blog sobre a minha mãe. Primeiro porque ela não usa as redes sociais e depois porque não preciso dizer online o que se deve dizer em pessoa, ou porque nem sempre é possível, pelo telemóvel.